25 fevereiro, 2008

LANUS

A 27 de setembro de 1939, era fundado, em Santos, o CLUBE ATLÉTICO LANUS, devendo-se o acontecimento à iniciativa de um grupo de esportistas que se reuniram, naquela data, no prédio de nº. 152, da Avenida Ana Costa. Essa reunião foi presidida por Francisco de Carvalho Alves e secretariada por Roberto dos Santos Caboclo.

Antonio Wilson Graner Gonçalves, presente à reunião, sugeriu o nome de Clube Atlético Lanus, que foi aceito, tendo discursado sobre o ato o associado Roberto Mantovani. A seguir, foi procedida a eleição da primeira diretoria que passaria a reger os destinos do clube, ficando esta constituída pelos membros: Presidente, Antonio Wilson Graner Gonçalves; Vice-Presidente, Irineu Alonso; 1º. Secretário, Lauro de Carvalho Alves; 2º. Secretário, Hélio Waldir Pavanelli; 1º. Tesoureiro, Adriano do Amaral; 2º. Tesoureiro, Paulo de Brito Simões; 1º. Diretor Esportivo, Tertuliano da Silva Batista Jr.; 2º. Diretor Esportivo, Aristides Teixeira.

A reunião de fundação do C.A. Lanus contou com a presença dos senhores: Francisco de Carvalho Alves, Roberto dos Santos Caboclo, Clevovano Azevedo Caboclo, Irineu Alonso, Antonio Wilson Graner Gonçalves, Luiz Moura, Francisco Mendes, Antônio Aguiar, Paulo de Brito Simões, Lauro Carvalho Alves, Oswaldo Gomes, Aristides Ribeiro, Tertuliano da Silva Batista Jr., Américo Nascimento, Adriano do Amaral, Lídio Buchmann, Luiz de Oliveira Carvalho, Aristides Teixeira, Luiz Coelho Martinez, Dr. Agostinho Ferramenta da Silva, Álvaro Nunes, Durval Naides Fernandes, Othon Martins do Amaral, Honal de Oliveira, Gil Matos, Paulo de Faro Freire, Nelson Alonso, Silvio Martins Neto, Carlos Figueiredo, Lauro Diegues, Manuel Machado, Waldemar Aguiar, Plínio dos Santos Caboclo, Mario de Carvalho Alves, Hélio Waldir Pavanelli, Augusto Mendes e João Cunha Bueno, que são considerados os fundadores da agremiação.

Fonte:









VEJA MAIS FOTOS CLICANDO AQUI

22 fevereiro, 2008

A.A. PONTA DA PRAIA

A ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA PONTA DA PRAIA, foi fundada em 17 de outubro de 1940. Contudo, não foi esse o nome de batismo que haviam dado à agremiação surgida: chamou-se PRATICAGEM QUADRO.

Para a fundação do Praticagem Quadro contribuíram os senhores: Mário Azevedo, José Xavier, Afonso da Costa Godinho, Salvador da Costa Godinho, José Zuniga, Estevam Zuniga, José Ferreira, Geraldo Barbosa, Constantino Azevedo, Benedito Eugênio Santana, Walter Rodrigues, Adelino Rodrigues, Jácomo Lanzelotti, Doningos da Costa Godinho, Manuel Alves Júnior, o prático Castanho, que foi Presidente de Honra, e outros.

Vários jogadores se projetaram no Praticagem Quadro, passando a envergar a camisa do Santos F. Clube, citando-se entre estes, os craques Leonídio, Luiz Dinho, Zeca Ferreira, Nelson e outros valores.

A 7 de setembro de 1954, foi mudada a denominação do clube, passando para Associação Atlética Ponta da Praia, considerando-se como fundação de um novo clube, já que o Praticagem Quadro estava com suas atividades quase paralizadas. Assim sendo, contribuíram para o aparecimento da A.A. Ponta da Praia, os esportistas: Róseo Pinheiro, Jamacaris, Amadeu Condo, Altamiro Andrade Coelho, Paulo Matsumoto, José Martins Gomes Jr., Armando Martins Gomes, Porfírio Filgueiras, Frederico Fanani, Hélio Teixeira Ferreira, Herondino Macuco Borges, Bernardo Almeida, Renato Martins Gomes, Antônio Ferreira Faria, João Fernandes, Manuel Callejan, Massaro Matsumoto, Carlos dos Santos, Carlos Donevante, André Freire e outros.

Em 1957, contava com um quadro de 500 membros, consolidando sua estrutura clubística, com sede instalada à Av. Bartolomeu de Gusmão, 187. Na sede, foi construída, graças à doação do Sr. Altamiro Andrade Coelho, uma capela de São Benedito, que era mantida pelo Sr. José Martins Gomes, numa demonstração de fé religiosa de seus diretores.

Devidamente legalizada junto à F.P.F e à Liga de Futebol Amador de Santos, disputou o Campeonato Amador da Divisão Principal e o Torneio Extra-Misto, classificando-se como Vice-Vampeã, em 1955.

Durante o período em que denominou-se Praticagem Quadro, levantou cinco campeonatos locais, e, por várias vezes, foi Vice-Vampeão dos 1ºs. e 2ºs. quadros.

DIRETORIA: Presidente de Honra, José Ferreira; Presidente, Paulo Matsumoto; Vice-Presidente, José Martins Gomes Jr.; 2º. Vice-Presidente, João Fernandes; Secretário-Geral, Frederico Fanhaus Filho; 1º. Secretário, Porfírio Filgueiras; 2º. Secretário, Renato Martins Gomes; 1º. Tesoureiro, Amadeu Conde; 2º. Tesoureiro, Fernando Tuzuki; Diretores Esportivos, Odair Tenório dos Santos e Armando Martins Gomes; Diretor Social, Manuel Rodrigues; Depto Feminino, Estela Martins Gomes. Conselho: Presidente, Antônio Ferreira Faria.

Fonte:





LIBERTÁRIO F.C

História do Libertário em 1957 - pela F.P.F.

Considerado o "Vovô Varzeano" , da cidade de Santos, o LIBERTÁRIO FUTEBOL CLUBE foi fundado na data já distante de 1º de janeiro de 1916. É a mais antiga agremiação varzeana da cidade de Santos, figurando, entre seus fundadores, os nomes de Brandino Tumoli, Adelino Caxula, João Pestana e outros.

Filiado à Liga de Futebol Amador de Santos,  à Federação Paulista de Futebol e à Liga Santista de Voleibol, desenvolvia a prática do futebol, tênis de mesa, voleibol e tamboréu, jogando amistosamente.

Seu patrimônio está representado por sua sede social em prédio próprio e barraca de praia.

DIRETORIA - 1957: Presidente de Honra, Adelino Caxula; Presidente, Elias Elias; Vice-Presidente, Silvio da Costa Moita; Secretário-Geral, Gilberto Giangiulio; 1º. Secretário, Vilalobos Menezes de Oliveira; Tesoureiro-Geral, José Coelho de Oliveira; Diretor Esportivo, Antonio da Costa Figo; Diretor de Voleibol, Otávio Eduardo C. Costa; Diretor Social, Adelino Rosas; Conselho: Presidente, Domingos Alvarez; Vice-Presidente, Brandino Tumoli.

Fonte:

História do Libertário em 2008 - pelos atuais dirigentes do clube.

Era para ser chamado, inicialmente,  por LIBERDADE FUTEBOL CLUBE, mas em uma reunião prévia onde hoje se encontra o Orquidário Municipal de Santos, o Sr. Alesandro Bertranha sugeriu o nome LIBERTÁRIO, por ser "quem liberta". Aprovado o nome, foi fundado o clube, estando presentes: Fortunato Dantas, Alesandro Bertranha, José Tumuli, Brandino Tumuli, Antonio Júlio Martins, Antonio Dantas, Carlos Ferreira Lopes, Guilherme Bonfante, Adão Bonfante, Benedito Aires, Salvador F. Blanco, Paulo Vigário, José da Costa Figo, Joaquim da Costa Figo e outros

O clube é representado pelas cores vermelha e branca. De início foi apenas a vermelha, e isso porque os uruguaios do Dublin, que aqui vieram jogar contra o Santos F.C., usavam camisas vermelhas. Posteriormente, e até agora, as camisas são vermelhas e brancas. A bandeira, idem, com 13 listras, igual à paulista.

Sua sede própria está localizada junto à Rua João Caetano, 169, no bairro do Marapé. O terreno foi adquirido, em suaves prestações, ao Sr. Chamoun Elias, benemérito do clube. O edifício, fruto de muito labor, possuí amplas dependências para secretaria, salão de festas, discoteca, bar, galpão coberto com churrasqueira e cozinha. O nome do espaço foi denominado "Chamoun Elias", e, no fundo se ergue a residência do zelador. Possuí, também, à margem direita do canal 1 (Av. Pinheiro Machado), uma confortável barraca de praia.

Atualmente, o clube possui em torno de 50 associados. O sócio nº. 1 do clube foi o Sr. Walter Garcia, ex-atleta, Vice-Campeão do Torneio Início de 1950, ex-Presidente do Conselho Deliberativo e 2º. Tesoureiro do biênio 1961-1963.

Dentre outros feitos, o LIBERTÁRIO F. C., conquistou em 1928, 11 medalhas em torneio promovido pelo “Jornal da Noite”, e aberto a todos os clubes da cidade, tendo vencido na final o São Paulo F. C., em jogo memorável pela placar de 5 a 2. No ano de 1932 foi Vice-Campeão nos 1os. e 2os. quadros, no Torneio Popular. Em 1950, sagrou-se Campeão do Torneio Início, da Liga de Futebol Amador de Santos, nas equipes principais, e Vice-Campeão, também, no certame dos quadros secundários, naquele mesmo ano. Em 1954, foi o Campeão do Torneio de Voleibol de Praia, patrocinado pelo SENAC. Em 1968 foi Campeão do Torneio de Tamboréu “Ely Carvalho”, e, ainda em 1968 ,também foi Campeão do Torneio de Tamboréu - Duplas ,patrocinado pela Comissão Municipal de Esportes da Prefeitura de São Vicente.

Em 1919 foram “doados” a A. A. Portuguesa, os seguintes jogadores: Nato, Wanderley, Panico, Nino, Álvaro (o homem que falava com a bola), Álvaro II, Caxula, Arnaldo, Quintino, Pestana, Rabelo e Luiz Figo. Em 1920, nova “doação” à Portuguesa: Brandino. Em 1936: Cabo Verde. Em 1950, para o Palmeiras, de São Paulo, Dirceu, e para o Santos F. Clube, Madeirinha, Peral e Batatinha. Jogadores da inesgotável safra do Libertário Futebol Clube, integraram com brilho a seleção santista: Brandino, Álvaro e Arnaldo. Todos os demais aqui citados, foram, também elementos de realce.

O Libertário F. C., sempre se distinguiu pela intensidade de sua vida social. Em sua sede ou fora dela, sempre participou de festivais beneficentes, a favor de clubes de servir e núcleos assistenciais. Sua programação de rotina , constava de bailes e vesperais aos sábados e domingos. Também promovia, periodicamente, almoços e convescotes. Atualmente, o clube promove almoços e churrascadas para associados e convidados, abrilhantadas constantemente por grupo de músicos seresteiros.

Na época da fundação: Presidente: Alesandro Bertranha; Vice-Presidente, Antonio Julio Martins; Secretário, J. Guedes; Diretor de Esportes, Benedito Aires; Tesoureiro, Antonio Dantas e Diretor Social, Alberto Panico.

Atualmente, a maior aspiração do Libertário é promover a reforma do telhado, além de outras, em janelas, vitrauxs e também refazer o sistema elétrico e de esgoto do clube. A atual diretoria, assumiu o clube, após uma interrupção de suas atividades por 5 anos com inúmeros problemas, tendo que impetrar 2 ações de despejo, uma ação de reintegração na posse, uma solicitação de providências junto a autoridade policial para coibir abusos praticados por elementos que se julgavam “donos” do clube e mais uma ação trabalhista, onerando desta forma, os escassos recursos do clube, oriundos do aluguel da sede para festas e contribuições dos sócios. Também, é pensamento da atual diretoria: promover uma ampla campanha para adesão de sócios junto ao bairro, de forma a dinamizar a vida social do clube, formar uma diretoria mais participativa e dar continuidade ao projeto para reerguer o “Vovô da Várzea’.

DIRETORIA ATUAL: Presidente, Sylvio Marques; Vice-Presidente, Alberto Rodrigues Quelhas; Secretário, Ermindo Rodrigues.

Fonte:

 



20 fevereiro, 2008

E.C. XI SANTISTA

No cenário desportivo de Santos, figura o ESPORTE CLUBE XI SANTISTA, fundado a 5 de junho de 1955, por Leonel Teixeira de Souza, Olair Júlio da Silva, Hélio Nunes, José Rolan Barreiro, Manuel de Andrade e Aurélio Augusto.

À época de sua fundação, o clube surgiu na categoria de juvenil; a 6 de março de 1956, pelo seu desenvolvimento, aprovou-se em assembléia a promoção do clube à categoria de esporte.

O clube participava de partidas amistosas.

DIRETORIA: Presidente de Honra, Dr. Abdala Cury; Madrinha, Nice de Andrade; Presidente do Conselho, Aurélio Augusto; Presidente da Diretoria, Oney Valim Rodrigues; Vice-Presidente, José Rolan Barreiro; Secretário, Hélio Nunes; Tesoureiro, Leonel Teixeira de Souza; Diretor Geral de Esportes, Aser Francisco Queiroga Carballo; 1º. Diretor Esportivo, Olair Júlio da Silva; Diretor Recreativo, Oscar Teixeira de Souza.

Fonte:



C.A. TOCANTINS

Fundado a 19 de junho de 1938, o CLUBE ATLÉTICO TOCANTINS, com sede à Rua Júlio de Mesquita, 166 e 174, onde mantinha sua praça de esportes para a prática do futebol, voleibol, ciclismo e tênis de mesa. Era filiado junto à F.P.F., Federação Paulista de Ciclismo, Liga de Futebol Amador de Santos e Liga Santista de Voleibol.

Quando o clube surgiu, em 1938, foi batizado com o nome de CENTRO DOS VAREJISTAS DE SANTOS FUTEBOL CLUBE, em assentamentos feitos na assembléia que determinou o início de suas atividades sociais e esportivas e, da qual tomaram parte os senhores: Antônio Coelho, Belmiro Rodrigues Borges, Henrique Pinto, João Pereira Lopes, Mário Fernandes, Mário Rodrigues, Miguel Aliti, Lourival Carvazan, Jesus Vasques e outros.

Em 1950, o Centro dos Varejistas de Santos F.C., passou a chamar-se CLUBE ATLÉTICO TOCANTINS.

As maiores glórias do clube foram conquistas no ciclismo, com o cetro de Campeão Absoluto de Santos e Campeão Paulista de Resistência. Seu maior feito foi alcançado pelo ciclista Antônio Joaquim Mendes que, defendendo as cores do Tocantins, foi autor de extraordinária proeza, concluíndo um raide de bicicleta de Santos a Buenos Aires, num total de, aproximadamente, três mil quilômetros com o sacrifício de um acidente sofrido a 130 quilômetros de São Paulo. Na queda, o ciclista do C.A. Tocantins fraturou gravemente a bacia do fêmur, o que não o impediu de prosseguir, pedalando com uma só perna. Assim, a serra de Curitiba foi escalada, façanha difícil já para um ciclista em boa forma física. Antes de chegar a Lages, Joaquim Mendes mandou que seu companheiro, Avelino dos Santos, seguisse na frente para providenciar alojamento e socorro médico. Mas, nesse trecho sofreu um segundo acidente, provocado pelo estado de fraqueza em que se encontrava. Perdeu o controle e caiu numa valeta à margem da estrada, alí permanecendo sem sentidos por mais de duas horas, quando então foi retirado por seu companheiro de excursão, que vinha regressando com uma ambulância de Lages. Convenientemente medicado, a dupla do Tocantins prosseguiu viagem. Assim percorreram 2.046 quilômetros, de Santos a Uruguaiana, e mais 860 de Passos de Los Libres a Buenos Aires, onde foram recebidos calorosamente pelo povo argentino. O ciclista Antônio Joaquim Mendes foi conduzido à assistência municipal de Buenos Aires, onde passou pela chapa radiográfica, constatando a gravidade da fratura. Durante sua permanência no hospital, foi visitado pelos diretores da Federação Ciclística Argentina, Srs. Ladaglia, presidente, José Echarte e Albino Luiz Crespi.

Estava completo um dos maiores feitos do ciclismo nacional pelo arrojo do ciclista Joaquim Mendes, do C.A. Tocantins, dando-lhe o título de resistência em ciclismo.

DIRETORIA: Presidente, Dr. Washington Di Giovanni; Vice-Presidente, Antônio das Neves; Secretário-Geral, Félix Otávio Delgado; 1º. Secretário, Antonio Pedro; Tesoureiro-Geral, Jacinto Passos; 1º. Tesoureiro, Antônio Coelho; 2º. Tesoureiro, Antônio Lopes Teixeira; Diretor Social, Armando Novais Cardoso; Diretor de Ciclismo, José Pinto Pereira e Antônio Joaquim Mendes; Diretor Geral de Esportes, João Pereira Lopes; Diretor de Patrimônio, Vicente Lopes Teixeira; Diretor de Praia, José Peres Rodrigues.

Fonte:



TEXACO A.C.

A assembléia geral que determinou a fundação do TEXACO ATLÉTICO CLUBE , foi realizada a 25 de maio de 1948, quando então foi constituída sua primeira diretoria, integrada pelos seguintes membros: Presidente, Ari Pereira Lima; Vice-Presidente, João Batista Gama Cunha; Secretário-Geral, Ernani Sanches; 1º. Secretário, Max B. Roso; Tesoureiro-Geral, José Afonso Alves; 1º. Tesoureiro, Antônio Filizola Gomes; Diretores Esportivos, Odair Mendes e Waldomiro Silva; Conselho Fiscal, Rubens D´Ascola, Armando Coppola e Rubens Levi.

Esta diretoria, pelos seus membros é considerada a fundadora do Texaco Atlético Clube.

O clube participava de competições esportivas, representando a The Texas (South America Ltd.) e, frequentemente, a seleção das companhias petrolíferas da Capital, nas seguintes modalidades: futebol, basquetebol, voleibol, tamboréu, futebol de salão, pedestrianismo, xadrez e tênis de mesa.

Disputou o Campeonato de Futebol Comércio e Rádio, tendo concluído invicto o torneio de classificação, em 1957. Pelo Campeonato da Semana do Comerciário, sagrou-se vice-campeão de xadrez , por Naide Chicane; classificou-se nos 3ºs. lugares em futebol, voleibol e bola ao cesto.

TROFÉUS CONQUISTADOS

Voleibol - Medalhão disputado por Texaco A.C de São Paulo, ano de 1948; Taça disputada com a Ilha Barnabé Quadro, ano de 1948; Campeão - Copa Sesi e Copas Miniaturas Individuais, ano de 1949; Campeão - Torneio Intersindical do Sesi, ano de 1951; Campeão e Vice-Campeão - Torneio Intersindical Santos-Santo André, ano de 1949.

Basquete - 3º. lugar - Copa Intersindical do Sesi, ano de 1951. Copa disputada com Texaco Clube de São Paulo, 1952.

Futebol - Troféu "João Batista da Gama Cunha", após 5 vitórias alternadas de 1948 a 1956; Taça Guanabara, Festival do IV Centenário, 1956; Taça Bruno Furbringer - Série SENAC - Campeão, 1955.

Nos torneios oficiais patrocinados pelo SESC-SENAI, em 1955 e 1956, disputou 44 partidas invictas, série esta interrompida pelo Casa A.C., tendo o Texaco A.C , colaborado, na medida do possível, na organização dos torneios por aquela entidade patrocinados.

Militaram no Texaco A.C., elementos de projeção no cenário esportivo municipal, estadual e nacional, tais como: Roberto Menna - Campeão Brasileiro de Voleibol e Vice-Campeão Sul Americano na mesma modalidade; Max B. Roso e W. Danny - componentes da Seleção Vicentina de Voleibol em diversos Jogos Abertos do Interior; Rubens D´Ascola - Penta Campeão Santista de Basquete pelo C.R. Vasco da Gama; Francisco Russo Neto - Penta Campeão Santista de Basquete pelo C.R. Vasco da Gama; Sebastião Lessandra e Valter Rolando - Campeões Santistas de Voleibol; Pedro Vicente (Pecente) - Integrante da Seleção Brasileira de Basquete; Luiz Rodrigues - ex-integrante da equipe principal do XV de Piracicaba e do quadro de aspirantes do Santos F.C.; José A.M. Brandão - Campeão Inter-Colegial Estadual, pelo Colégio Santista em 1948, categoria basquete, e Orlando Rodrigues - Campeão da equipe de aspirantes do C.R. Tumiaru, de São Vicente, em 1952, categoria basquete.

DIRETORIA: Presidente de Honra, Ary Pereira Lima; Presidente, José Afonso Alves; Vice-Presidente, João Renda; Secretário-Geral, Gilberto Ferreira da Costa; 1º. Secretário, José A.M. Brandão; Tesoureiro-Geral, Olívio Afonso; 1º. Tesoureiro, Edmundo Fernandes; Diretor Geral de Esportes, Luiz Rodrigues; Diretor Social, Antônio Rodrigues; Diretor de Patrimônio, Rubens Marques da Silva.

Fonte: