22 fevereiro, 2008

LIBERTÁRIO F.C

História do Libertário em 1957 - pela F.P.F.

Considerado o "Vovô Varzeano" , da cidade de Santos, o LIBERTÁRIO FUTEBOL CLUBE foi fundado na data já distante de 1º de janeiro de 1916. É a mais antiga agremiação varzeana da cidade de Santos, figurando, entre seus fundadores, os nomes de Brandino Tumoli, Adelino Caxula, João Pestana e outros.

Filiado à Liga de Futebol Amador de Santos,  à Federação Paulista de Futebol e à Liga Santista de Voleibol, desenvolvia a prática do futebol, tênis de mesa, voleibol e tamboréu, jogando amistosamente.

Seu patrimônio está representado por sua sede social em prédio próprio e barraca de praia.

DIRETORIA - 1957: Presidente de Honra, Adelino Caxula; Presidente, Elias Elias; Vice-Presidente, Silvio da Costa Moita; Secretário-Geral, Gilberto Giangiulio; 1º. Secretário, Vilalobos Menezes de Oliveira; Tesoureiro-Geral, José Coelho de Oliveira; Diretor Esportivo, Antonio da Costa Figo; Diretor de Voleibol, Otávio Eduardo C. Costa; Diretor Social, Adelino Rosas; Conselho: Presidente, Domingos Alvarez; Vice-Presidente, Brandino Tumoli.

Fonte:

História do Libertário em 2008 - pelos atuais dirigentes do clube.

Era para ser chamado, inicialmente,  por LIBERDADE FUTEBOL CLUBE, mas em uma reunião prévia onde hoje se encontra o Orquidário Municipal de Santos, o Sr. Alesandro Bertranha sugeriu o nome LIBERTÁRIO, por ser "quem liberta". Aprovado o nome, foi fundado o clube, estando presentes: Fortunato Dantas, Alesandro Bertranha, José Tumuli, Brandino Tumuli, Antonio Júlio Martins, Antonio Dantas, Carlos Ferreira Lopes, Guilherme Bonfante, Adão Bonfante, Benedito Aires, Salvador F. Blanco, Paulo Vigário, José da Costa Figo, Joaquim da Costa Figo e outros

O clube é representado pelas cores vermelha e branca. De início foi apenas a vermelha, e isso porque os uruguaios do Dublin, que aqui vieram jogar contra o Santos F.C., usavam camisas vermelhas. Posteriormente, e até agora, as camisas são vermelhas e brancas. A bandeira, idem, com 13 listras, igual à paulista.

Sua sede própria está localizada junto à Rua João Caetano, 169, no bairro do Marapé. O terreno foi adquirido, em suaves prestações, ao Sr. Chamoun Elias, benemérito do clube. O edifício, fruto de muito labor, possuí amplas dependências para secretaria, salão de festas, discoteca, bar, galpão coberto com churrasqueira e cozinha. O nome do espaço foi denominado "Chamoun Elias", e, no fundo se ergue a residência do zelador. Possuí, também, à margem direita do canal 1 (Av. Pinheiro Machado), uma confortável barraca de praia.

Atualmente, o clube possui em torno de 50 associados. O sócio nº. 1 do clube foi o Sr. Walter Garcia, ex-atleta, Vice-Campeão do Torneio Início de 1950, ex-Presidente do Conselho Deliberativo e 2º. Tesoureiro do biênio 1961-1963.

Dentre outros feitos, o LIBERTÁRIO F. C., conquistou em 1928, 11 medalhas em torneio promovido pelo “Jornal da Noite”, e aberto a todos os clubes da cidade, tendo vencido na final o São Paulo F. C., em jogo memorável pela placar de 5 a 2. No ano de 1932 foi Vice-Campeão nos 1os. e 2os. quadros, no Torneio Popular. Em 1950, sagrou-se Campeão do Torneio Início, da Liga de Futebol Amador de Santos, nas equipes principais, e Vice-Campeão, também, no certame dos quadros secundários, naquele mesmo ano. Em 1954, foi o Campeão do Torneio de Voleibol de Praia, patrocinado pelo SENAC. Em 1968 foi Campeão do Torneio de Tamboréu “Ely Carvalho”, e, ainda em 1968 ,também foi Campeão do Torneio de Tamboréu - Duplas ,patrocinado pela Comissão Municipal de Esportes da Prefeitura de São Vicente.

Em 1919 foram “doados” a A. A. Portuguesa, os seguintes jogadores: Nato, Wanderley, Panico, Nino, Álvaro (o homem que falava com a bola), Álvaro II, Caxula, Arnaldo, Quintino, Pestana, Rabelo e Luiz Figo. Em 1920, nova “doação” à Portuguesa: Brandino. Em 1936: Cabo Verde. Em 1950, para o Palmeiras, de São Paulo, Dirceu, e para o Santos F. Clube, Madeirinha, Peral e Batatinha. Jogadores da inesgotável safra do Libertário Futebol Clube, integraram com brilho a seleção santista: Brandino, Álvaro e Arnaldo. Todos os demais aqui citados, foram, também elementos de realce.

O Libertário F. C., sempre se distinguiu pela intensidade de sua vida social. Em sua sede ou fora dela, sempre participou de festivais beneficentes, a favor de clubes de servir e núcleos assistenciais. Sua programação de rotina , constava de bailes e vesperais aos sábados e domingos. Também promovia, periodicamente, almoços e convescotes. Atualmente, o clube promove almoços e churrascadas para associados e convidados, abrilhantadas constantemente por grupo de músicos seresteiros.

Na época da fundação: Presidente: Alesandro Bertranha; Vice-Presidente, Antonio Julio Martins; Secretário, J. Guedes; Diretor de Esportes, Benedito Aires; Tesoureiro, Antonio Dantas e Diretor Social, Alberto Panico.

Atualmente, a maior aspiração do Libertário é promover a reforma do telhado, além de outras, em janelas, vitrauxs e também refazer o sistema elétrico e de esgoto do clube. A atual diretoria, assumiu o clube, após uma interrupção de suas atividades por 5 anos com inúmeros problemas, tendo que impetrar 2 ações de despejo, uma ação de reintegração na posse, uma solicitação de providências junto a autoridade policial para coibir abusos praticados por elementos que se julgavam “donos” do clube e mais uma ação trabalhista, onerando desta forma, os escassos recursos do clube, oriundos do aluguel da sede para festas e contribuições dos sócios. Também, é pensamento da atual diretoria: promover uma ampla campanha para adesão de sócios junto ao bairro, de forma a dinamizar a vida social do clube, formar uma diretoria mais participativa e dar continuidade ao projeto para reerguer o “Vovô da Várzea’.

DIRETORIA ATUAL: Presidente, Sylvio Marques; Vice-Presidente, Alberto Rodrigues Quelhas; Secretário, Ermindo Rodrigues.

Fonte:

 



Nenhum comentário: